Loading...
Loading...

Total de visualizações de página

quinta-feira, 27 de março de 2014

Início da Oficina de Educação Ambiental

A Escola Jorge Enéas Sperb prioriza em suas atividades as ações voltadas a conservação do Meio Ambiente e a Melhoria na qualidade de vida de sua comunidade. Para tanto iniciaremos no dia 1 de abril a OFICINA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL. A oficina acontecerá em contra turno nas 3ª feiras e terá como monitor; Diego Pereira de Guimarães, que é graduando em  Licenciatura em Ciências -FURG

Durante todo o ano serão desenvolvidas atividades de pesquisa, saídas de campo e intervenções na composteira, horta e jardim da escola, além de inúmeras técnicas de plantio e cultivo de hortaliças, chás e flores. 

Os "Saberes da Comunidade" serão utilizados durante os encontros com a presença de pessoas da comunidade que auxiliarão nas atividades, enriquecendo assim nossa prática.
Semanalmente teremos aqui os relatos dos participantes.


EMEF Jorge Enéas Sperb
Projeto “Educação Ambiental"
ATIVIDADE DE ABERTURA: Visitar a Zona Rural do Município e o Horto Florestal para conhecer técnicas de plantio e colheita, visualizar mudas de diferentes hortaliças, identificando o solo propício para o bom desenvolvimento dos vegetais.
PÚBLICO ALVO: Alunos do 5º, turma 51  e 6ºs anos, turmas 61 e 62 do Ensino Fundamental
PERÍODO DE DURAÇÃO: O projeto se caracteriza por ser uma atividade continuada, portanto, não tem hora ou tempo de duração que possa ser pré- estabelecido. Afinal, uma vez montada a horta é possível imaginar, que a cada ano, novas turmas darão continuidade ao projeto.
JUSTIFICATIVA:
Baseado na premissa de valorizar o trabalho prático e o papel do outro no processo de aprendizagem, o projeto Horta Escolar foi inserido na EMEF Jorge Enéas Sperb, objetivando melhor inserção do ensino dos vegetais na disciplina de Ciências. A horta foi preparada desde o início pelos próprios alunos que participaram ativamente do processo, sob a orientação do Monitor Diego Pereira de Guimarães com a colaboração da professora da turma 51, Carmem Luminária e a Professora de Ciências dos 6ºs anos Luciana Rosa.
O ensino das ciências naturais no ensino fundamental é restrito, muitas vezes, a aulas teóricas e expositivas, mas a importância de atividades práticas é inquestionável na Ciência e precisa ocupar lugar de destaque no seu ensino (3 SMITH, K. A. Experimentação nas Aulas de Ciências. In: CARVALHO, A. M. P.; VANNUCCHI, A. I. ;BARROS, M. A.; GONÇALVES, M. E. R.; REY, R. C. Ciências no Ensino Fundamental: O conhecimento físico. São Paulo: Scipione. 1998).
De acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais , a participação ativa dos estudantes nos processos de aprendizagem com atividades práticas representa importante elemento para a compreensão ativa e conceitual.
A escola aparece como espaço privilegiado para o desenvolvimento de ações de melhoria das condições de saúde e do estado nutricional das crianças (RAMOS;STAIN, 2000), sendo um local estratégico para a concretização de iniciativas de promoção da saúde, como o conceito da “Escola Promotora da Saúde”, que incentiva o desenvolvimento humano saudável e as relações construtivas e harmônicas.
OBJETIVO Geral: O projeto, diante do exposto, tem como objetivo geral desenvolver a prática do cultivo de hortaliças na EMEF Jorge Enéas, de maneira que a horta escolar sirva de laboratório para o professor integrar os alunos ao ambiente em que ele vive priorizando o consumo de alimentos saudáveis e naturais e estimulando uma alimentação saudável.
OBJETIVOS ESPECÍFICOS:
• Conscientizar alunos e pais acerca da importância de se ter uma alimentação rica e equilibrada;
• Construir a noção de que o equilíbrio do ambiente é fundamental para a sustentação da vida em nosso planeta;
• Valorizar o trabalho em equipe, ou seja, o papel do outro no processo de aprendizagem;
• Produzir adubos orgânicos;
• Desenvolver de forma lúdica e interdisciplinar conteúdos das diversas áreas do conhecimento;
• Conscientizar da importância de estar saboreando um alimento saudável e nutritivo;
• Criar, na escola, uma área verde produtiva pela qual, todos se sintam responsáveis;
• Construir a noção de que o equilíbrio do ambiente é fundamental para a sustentação da vida em nosso planeta.

METODOLOGIA:
• Produção de adubo orgânico e construção de um minhocário:
O coordenador do projeto e a professora utilizaram restos alimentares de origem vegetal disponibilizado pela cozinha da Escola para a produção de adubo orgânico. O coordenador do Projeto trará minhocas para serem acrescentadas na composteira. Os alunos executaram a construção do minhocário e também a produção do adubo. Tais elementos: adubo e minhocas são fundamentais para uma boa plantação e serão muito utilizados pelos alunos durante a preparação da terra.
Será doado adubo orgânico de codorna por um membro da comunidade escolar para enriquecer o solo da horta.
• Visitação à horta:
Reconhecimento do espaço em que será feito o plantio. Nesta etapa, os professores conversarão com os alunos, abordando questões como que é uma horta, para que serve e o que se pode plantar nela. Os professores explorarão o espaço da horta, mostrando suas partes e os instrumentos que foram utilizados para a semeadura. Cada grupo conhecerá o seu canteiro e aprenderá como manusear, com segurança, o ancinho, a pá e o regador.
• Preparação da terra:
            Depois de uma aula teórica sobre plantio, os alunos começarão a preparar a terra afofando-a, desmanchando os torrões que se formam, tirando as ervas daninhas e molhando-a. Adubaram-na com o adubo orgânico produzido com restos alimentares.
• Apresentação das hortaliças aos alunos:
Aula instrutiva em que o coordenador do projeto e  professora explicaram às crianças as características e o valor nutricional das hortaliças que foram plantadas na horta e a função das vitaminas que estão contidas nelas.
• Plantio das hortaliças:
Durante esta etapa os alunos plantarão as sementes a cada grupo nos seus respectivos canteiros. Aprenderam a fazer as covas para colocação da semente. Depois de plantadas a semente, os canteiros serão regados em intervalos regulares, conforme a necessidade.
• Acompanhamento da plantação:
Os alunos passarão a registrar em um caderno específico o desenvolvimento das plantas, desde o primeiro broto até a colheita final. Contarão a quantidade de plantas viáveis, a quantidade que morreu e a cada aula um grupo falará sobre o seu canteiro, sobre a importância para a saúde do consumo daquela hortaliça ou daquele legume.
• Colheita:
As hortaliças serão colhidas assim que estiverem prontas para serem consumidas, tirando insetos e outros integrantes da fauna associada à horta. Estas hortaliças serão utilizadas na merenda escolar. Os alunos participaram de todo o processo. Convidaremos uma nutricionista para dar uma palestra sobre a alimentação saudável.
RECURSOS MATERIAIS:
• Ferramentas
• Adubos
• Sementes e mudas
• Tijolos, tábuas, garrafas peti - cercar os canteiros.
• Mangueira - regar
CONSIDERAÇÕES FINAIS
            A educação ambiental é um processo de conquista longa e árdua, pois são valores construídos ao longo da vida, orientados por pessoas que persistem e acreditam que é possível contribuir para mudanças significativas relacionadas à preservação ambiental e ao respeito à natureza. Com isso, é necessário que reflitamos sobre qual é nosso papel na natureza. O que somos para ela? O que devo fazer para amenizar os efeitos desastrosos provocados ao meio ambiente? O  que devo fazer em sala de aula para preservar o ambiente em que permaneço durante quatro horas do dia? E, em minha casa e na comunidade o que devo fazer?
 Esses questionamentos nos levarão a uma reflexão da postura que temos diante do meio ambiente em que vivemos. Consequentemente, os resultados surgirão a partir do momento em que passamos a nos sentir seres integrantes desse meio. Sem esse senso de pertencimento não nos conseguiremos sentir responsáveis pela preservação ambiental.






Introdução sobre Astronomia







Nenhum comentário:

Postar um comentário